• Camila Saraiva

Psicoterapia: uma oportunidade para acolher seu passado, viver o presente e cuidar do futuro

Como psicoterapeuta que baseia sua atuação em abordagens humanistas como a Gestalt Terapia, Terapia Sistêmica e Teoria do Apego, venho trazer um conceito comum para meu trabalho: cuidar da criança interior. Afinal, quem é ela? Como ela aparece na terapia? Qual a importância de olhar para o passado para viver um presente melhor, mais leve e autêntico? Como isso impacta o futuro?


A criança interior é o nosso infantil que carregamos para a vida adulta. Gosto de explicar dizendo que a vivência na família de origem nos dá as lentes com as quais enxergamos o mundo. Por vezes, essas lentes estão distorcidas e nos trazem dor.


Sarar, na medida do possível, as feridas infantis te traz a liberdade de escolher diferente no presente, de não mais ser refém de uma dor. De não mais exigir uma reparação da vida, ou de seus pais, companheiros(as), mas escolher seu bem por si. Isso flexibiliza a lente do sofrimento e do medo que você usa para enxergar a vida, podendo vê-la com mais nitidez e, assim, agir e reagir de acordo com o que de fato se apresenta.


Tantas vezes um adulto com sua criança interior com uma ferida aberta se torna pai ou mãe. Esta ferida coloca uma dívida, uma missão impossível para as futuras gerações. Que tamanho fardo é ter que consertar o que aconteceu tão antes de nascer! Cuidar da sua criança interior e estar paz com sua história, por mais difícil que tenha sido, te permite olhar para frente. Permite que seu filho também olhe para frente, com a única missão de ser feliz em sua existência.


Não mudamos o passado. Cuidamos de feridas, confirmamos quão difícil foi, atenuamos dores, e deixamos ir o que não serve mais. Então que podemos fazer agora? O que queremos para nós e para as gerações que vêm no futuro?